quarta-feira, 8 de maio de 2013

curiosidade sobre os gatos


curiosidade sobre gatos!




alimentaçao



Os gatos, como os demais felinos, são carnívoros. No ambiente selvagem, devoram a presa inteira, incluindo pele, orgãos internos e ossos e ervas que a presa tenha ingerido.

Dessa forma ele obtém o balanceamento nutricional correto.

Qualquer mudança na alimentação, mesmo que seja só de marca de ração, deve ser feita de forma gradativa.

Mudanças bruscas de alimentação podem causar diarréia.
Os gatos que tem livre acesso a comida podem comer de 10 a 20 pequenas refeições diariamente.

Sua dieta requer um alto nível de gordura e proteína se comparados com os cães, e doses extras dos aminoácidos taurina, arginina, cisteína e metionina.
Gatos não podem comer chocolate, porque contém ácido oxálico que impede a absorção de cálcio. Além disso contém teobromina, um alcalóide tóxico para felinos. Aliás, gatos são muito sensíveis a várias substâncias, então nunca dê nenhum alimento ou medicamento antes de consultar seus veterinário.
Mantenha sempre a higiene dos comedouros e bebedouros.

Use os mais pesados para que não virem com facilidade, coloque folhas de jornal por baixo dos pratos, para evitar que deslizem e também facilitar a tarefa de limpeza.

Evite o uso de comedouros e bebedouros plásticos.

Alguns gatos apresentam uma reação alérgica ao plástico, chamada Acne Felina.
Os gatos, como as pessoas, possuem gostos diferentes, é comum que alguns não aceitem alimentos que outros gatos adoram.

Procure descobrir qual o alimento que seu gato mais aprecia. As preferências alimentares dos gatos irá depender do odor do alimento, textura, hábitos alimentares e saúde do gato.

O ambiente também influencia o apetite do gato. Luz, barulho, presença ou ausência de pessoas ou animais, tipo de limpeza do comedouro e bebedouro, são fatores que afetam.
Não alimente seu gato em excesso.

Alimentar bem não é a mesma coisa que alimentar demais, até que deixem sobras.

Uma boa alimentação é formada por quantidade suficiente de alimentos, com todos os elementos nutricionais necessários ao bom funcionamento do organismo dos gatos.
Os gatos têm deficiência de algumas enzimas, o que os tornam incapazes de sintetizar determinados nutrientes no organismo.

Eles têm que ser fornecidos pré-formados na dieta, como a Vitamina A, o Acido Aracdônico e Taurina.
Os gatos necessitam de boa quantidade de proteínas e gorduras (carnes, peixe, aves, vegetais, soja).

Precisam também de hidratos de carbono, sais minerais e vitaminas.

Os gatos domésticos precisam de água fresca sempre disponível, principalmente os que se alimentam de ração seca.

Já os gatos selvagens bebem pouca água.

A carcaça das presas que come possuem 70% de água.
A grama (ou verde), é elemento importante na alimentação dos gatos.

No ambiente selvagem, ingerem alimentos verdes junto com a presa.

O verde contém vitaminas e ajuda no bom funcionamento do aparelho digestivo.

Já a taurina, é um produto final do metabolismo de 2 aminoácidos.

Está envolvida na formação e funcionamento da retina e nos gatos também com a formação de sais biliares.

Sua deficiência resulta em degeneração da retina e cegueira.

Essas alterações demoram longo tempo para ocorrer, cerca de 1 ano com uma dieta insuficiente em Taurina.

Diferente dos outros animais, os gatos não conseguem sintetizar a Taurina.

Ela é encontrada em produtos de origem animal.

As rações atualmente vêem com um bom suprimento de Taurina.

Ração em lata Têm a vantagem do sabor e umidade, mas é mais cara do que a seca, contribui para a formação de tártaro nos dentes, dá mau-hálito, fezes com mau cheiro, podem ocasionar gases e fezes moles.
Se estragam com mais facilidade quando deixadas no prato, e os pratos devem ser lavados todos os dias.
Recomendada para animais que necessitam de reposição de líquidos, animais com inapetência.
Ração SecaOs gatos alimentados com ração seca necessitam de mais água, têm menos tártaro nos dentes, é mais barata e deixa menos cheiro na boca e nas fezes.
Os pratos permanecem limpos e a ração não estraga com facilidade e as fezes ficam firmes.
Leite.
Você até pode dar pequenas quantidades de leite ao gato, mas atenção porque muitos gatos têm intolerância à lactose e podem ter diarréia.
Sobras de comida.Evite dar sobras da sua comida.
Os alimentos para humanos podem provocar diarréias, tártaro e outros males. Além disto, não fornecem a nutrição correta.
Não há problemas em dá-los osso ao gato, desde que sejam grandes e não soltem lascas, como os de boi.
NUNCA dê ossos de galinha ou de porco, seus fragmentos podem grudar na boca, garganta ou estômago e perfurar o intestino do gato.
A carne não faz mal, mas você não deve substituir a ração pela carne porque ela não possui todos os ingredientes importantes para o seu gato.
O fígado é muito nutritivo, mas de oferecido diariamente ou em grandes quantidades pode intoxicar seu gato por vitamina A e causar diarreias.
Se o gato tem alimentação balançeada e come ração regularmente, não precisa de suplementos.
Alguns peixes podem causar deficiência de Tiamina.
Os peixes crus possuem Tiaminase, que destrói a Tiamina Vit B1. O calor do cozimento, destrói a Tiaminase presente na carne do peixe.
habitat 
Os gatos são animais muito indicados para crianças, principalmente porque são muito limpos. Além disto, se forem de trato fácil, os gatos estimulam as crianças a desenvolverem o sentido de responsabilidade, ao cuidarem de um animal, e a tornarem-se mais afectuosas, já que os gatos adoram festas e às vezes exigem que lhas dêem.
Embora sejam muito engraçados, os gatinhos não são recomendados para as crianças, por várias razões:

Os gatinhos são muito irrequietos e não se tornarão boa companhia para as crianças, porque têm vontade própria e dentes.
Ainda não se consegue perceber bem a personalidade de um gatinho.
Quando se dá um gato a uma criança, ele deve ter um certo tipo de personalidade que ajudará a que tudo corra bem.
Os gatinhos usam frequentemente as unhas e mordem, quer por brincadeira, quer porque estão a aprender a usá-las e querem descobrir qual o efeito que têm.
Se quiser oferecer um gato a uma criança, escolha um gato adulto ou, pelo menos, que esteja quase na idade adulta, macho (as gatas têm personalidades mais *complicadas*), e tente conhecer bem o gato antes de o oferecer.
Convém que seja um animal meigo e calmo mas não demasiado pachorrento - os gatos muito preguiçosos podem chatear-se a sério se passarem a vida a ser acordados para brincar.
Os gatos amarelos costumam ser ideais para crianças mas, como sempre, há excepções, e tudo depende da educação e personalidade do gato (e da criança).

Gatos e Pessoas 
Muitas pessoas com idade mais avançada optam por ter gatos em casa, por várias razões.
São bastante limpos e não dão muito trabalho (não é preciso ir passeá-los à rua), e, além disso, são uma óptima companhia.
Há ainda outras razões adicionais para que os gatos sejam recomendados a pessoas idosas.
Os gatos são como bonecos de peluche e agradecem se lhes fizerem festas - acariciar um gato pode ser uma boa forma de terapia, quer emocional quer física, já que muitas pessoas começam a ter problemas nas articulações das mãos, com a idade, e além disso, o ronronar do gato é muito reconfortante para quem lhe está a fazer festas.
Há algumas coisas com as quais se deve ter muito cuidado ao escolher um gato para dar a uma pessoa idosa:
A personalidade do gato - não pode ser um animal que se torne agressivo.
O maior risco com as pessoas idosas é que aleijem o gato em querer e este se defenda, como é de esperar.
É vulgar acontecer que alguém pise o rabo do gato e este lhe dê uma dentada na perna.
É natural ao gato fazer isto porque lhe estão a esmagar o rabo e ele está cheio de dores e só quer fugir, mas a pessoa vai achar que ele atacou e provavelmente vai querer desfazer-se dele o mais rápido possível a seguir ao episódio.
Para evitar isto, deve-se ter sempre comida disponível para o gato, para que este não ande continuamente atrás das pessoas e a circular pelo meio das pernas de toda a gente que se desloca na cozinha.
Hábitos do gato - não pode ser um animal habituado a roubar comida - mais uma vez, isto também vai depender de ter sempre comida disponível.
Não pode ser um macho territorial que passe a vida a marcar território dentro de casa, nem que escave a terra dos vasos, nem que trepe às cortinas - e mais uma vez, os gatinhos são contra-indicados, porque não se sabe a personalidade deles.
Não convém que seja um animal que vá dar muito trabalho porque passa a vida a estragar e a sujar coisas.
É saudável que dê algum trabalho, mas não convém que seja uma fonte de problemas.

Gatos num Apartamento
Se tem ou vai ter um gato num apartamento, tenha em conta os 'factores de risco':
As janelas têm de estar sempre fechadas, ou o gato não pode ter acesso às janelas.
São incontáveis as histórias de gatos que saltam pela janela de andares altos e morrem, ou que saltam e sobrevivem mas são perseguidos por gatos de rua até os deixarem num estado lastimável. Muitas vezes, não sobrevivem após um episódio destes.
Aquários ou terrários que tenha em casa, bem como gaiolas de hamsters e esquilos, estão ao alcance do gato mesmo que os ponha numa prateleira alta.
Acredite que o gato vai dar com eles mais cedo ou mais tarde.
Tem de ensinar o gato a não se chegar aos outros animais e não escondê-los - neste caso, só estará a ensinar o gato a procurá-los. O método do borrifador de água é óptimo para ensinar gatos.
Guarde uma embalagem de limpa-vidros, limpe-a bem e encha-a de água, e borrife o gato cada vez que o apanhar em falta - se for depois, ele não vai perceber.
Pratos de vasos, sanitas, baldes com água de lavar o chão, lava-loiças com detergente, são tudo coisas óptimas para um gato cheio de sede. Não deixe que o gato se habitue a beber água de qualquer lado que não seja a taça dele, ou um dia ele pode beber água de algum sítio com detergente ou outra substância tóxica.
Plantas - ver a secção gatos e plantas.

Gatos de Rua 
Os gatos de rua costumam tornar-se grandes gatões.
São animais mansos (para os donos, e não para outros gatos), e gostam muito de festas.
Têm as suas exigências especiais: não gostam de estar muito tempo fechados em casa nem de ser agarrados e levados ao colo.
São indicados para pessoas que tenham quintal, e paciência.
Estes gatos vão envolver-se em lutas territoriais quando houver gatas com o cio na vizinhança (normalmente, na altura de Janeiro).
Convém ter um caixote para o gato dormir na rua quando ele não chegar a casa antes de fechar a porta para a noite. Convém também ensinar o gato a não marcar o território dentro de casa.

Aristogatos
São os gatos muito mimados.
Ser um aristogato não é tanto uma questão de personalidade, mas mais de educação.
São animais que estão habituados a muito mimo e se tiverem que mudar de ambiente, podem ter alguns problemas, principalmente com a alimentação.
Quanto ao resto, os seus hábitos são impecáveis.
Se lhe tiverem oferecido um aristogato e ele se recusar a comer tudo que não venha numa latinha de marca, tem de lhe 'dar a volta'.
O melhor é descobrir qual a comida a que ele está habituado e fazer a transição entre essa e o outro tipo de comida para o qual o quer habituar, devagarinho. Se não fizer a mínima ideia de qual é a comida a que o gato está habituado e ele continuar a torcer o nariz à comida, vai ter de experimentar, ou esperar que ele tenha mesmo muita fome e coma de qualquer maneira.
Se um gato insistir em não comer absolutamente nada, tiver muita sede ou se recusar a beber água, é mais provável que tenha sido envenenado ou a sua digestão tenha corrido mal.
Leve-o ao veterinário, porque os casos de envenenamento são muito perigosos e levam á morte em 2 ou 3 dias.